domingo, 29 de abril de 2012

132. Ismael (48) - O fotógrafo



Ismael Pião tinha um sonho de menino. Não um sonho como o do Tony Carreira mas, de qualquer maneira, um sonho. Talvez se ele sonhasse em voz alta a mãe o tivesse levado a sério. Mas ele sonhava calado, silencioso mesmo e quase sempre a preto e branco. Eu diria mais, Ismael Pião sonhava a preto e branco, 200 ASA. E quando ele, antes de ir para a cama, apagava a luz e o quarto mergulhava na escuridão, entrava direto na câmara escura e não fosse uma pequena luz de presença vermelha, muito sumida, que lhe aliviava os receios, dir-se-ia que os químicos começavam a penetrar-lhe a mente, chegando até a ter flashes que o faziam saltar arrepiado. Mas não era muito negativo o nosso Ismael Pião embora, nem por isso, deixasse de acordar inundado em suores, como se algo lhe escorresse corpo abaixo. Nessas alturas sentia-se como que pendurado numa corda com duas molas da roupa. Foi numa dessas ocasiões em que, apesar da escuridão do quarto, Ismael Pião passou a noite em branco graças a dois refletores que a vizinha do prédio em frente improvisou, ao ter estendido um par de lençóis brancos, numa quinta-feira, dia da barrela em sua modesta habitação, que ele decide revelar a sua mãe, que vestia sempre vestidos de chita, um pouco desbotados como uma cor acabada de inventar por um qualquer Ismael Gevaert ou talvez, muito provavelmente, por Ism Aemoto Fuji (estão aqui ao lado a soprar-me ao ouvido que poderá ter sido Ismael Smith Kodak), o seu desejo, a sua vontade, a sua obsessão, o seu fetiche, a sua queda, a sua inclinação, o seu desarrumo mental pela fotografia. A mãe, coitada, que vivia entre satisfazer todas as vontades ao filho e a realidade nua e crua do dia-a-dia, mormente a hipótese de fazer do seu filhinho um homem, decidiu que ele iria trabalhara para os TLP, que era uma empresa de futuro e bem ligada, se é que isso queria dizer alguma coisa.

O nosso Ismael Pião, temos aqui que lhe chamar nosso, ou melhor, porque já o fizemos antes, continuar a chamar nosso, pois de hoje em diante, quando se falar de fotografia neste livro de histórias sem imagens, nunca mais nos poderá sair da cabeça Ismael Pião, depois de se ter visto enredado em aparelhos telefónicos de todos os modelos, abri-los para ver se por dentro havia espelhos que refletissem a voz dos seus utilizadores, até ter percebido por fim que o som e a luz tinham formas de se propagar de maneiras muito diversas e que se não fossem as perturbações eletromagnéticas em fitas nunca a voz poderia ser registada, ao contrário da imagem que impressionava, isso sim, sais cristalinos de prata bastando que os comprimentos de onda, cala-te que isto não é nenhum livro de física, disse às tantas o narrador ao escritor e este calou-se porque isto não é um livro de física. Finalmente, depois de ter visto que os telefones de disco não tocavam discos, não se assemelhando sequer a uma grafonola, mas sim usavam um discador em forma de disco onde se enfiava o dedo indicador para o fazer rodar, largou postes, fios, troncas, cavilhas, discadores não sem antes ter telefonado para casa e gritado a plenos pulmões para o bocal «mamã vou ser fotógrafo!»

Free-lancer em várias revistas e jornais, viu-se confrontado com os custos do equipamento fotográfico, com a dificuldade que um rookie tem em se impor num espetro que já está ocupado por tubarões e acabou por cair nas garras da Judiciária. Não, não cometeu nenhum crime. O nosso Ismael Pião acabou por arranjar emprego na Polícia Judiciária como fotógrafo de cenas de crime. Mas aquele dia foi fatídico. Ismael Sacadura Flores, o já nosso conhecido inspetor de polícia, acabara de receber um telefonema, que a menina das troncas encavilhou direta para o gabinete policial, antes de continuar o seu crochet, demasiado perturbador para o seu dia de trabalho que acabava de se iniciar. Tinha havido um horrível crime no número 43 da Rua dos Correeiros, num sexto andar onde morava uma menina, cria o chefe de brigada Ismaelix, que usava um bigode à Chalana, porém branco e uma trança até ao meio das costas, que seria italiana. Com passo apertado, bate na porta do gabinete de fotografia, Ismael Pião ainda estava deitar duas colheres de açúcar na caneca de café de cevada que D. Gina, a empregada que vendia cafés de cevada lhe tinha levado, teve de o engolir à pressa, o que foi mau, muito mau, porque queimou o céu-da-boca e a ponta da língua, pegou na máquina fotográfica, colocou-a ao ombro, abriu a gaveta dos rolos, pelo sim pelo não enfiou no bolso dois rolos virgens de vinte e quatro fotografias cada e saiu com um passo tão apressado como o do inspetor Sacadura, tendo até tido dificuldade em o apanhar já que o dito Ismael Flores lhe levava quase um corredor de avanço. Subiram apressadamente a escada do 43, dois em dois e até três em três degraus, quando o patamar entre pisos lhes dava balanço para tal e, com a porta já aberta por outros polícias, mormente pelo chefe Ismaelix, o que tem um bigode à Chalana, deparam com o corpo de Isabella Vicentini, deitada no chão, com marcas visíveis de facadas, que hoje sabemos terem sido sete, por debaixo de uma blusa branca de cambraia de algodão. Ismael Pião olhou para o corpo da jovem bailarina e ficou estarrecido. De repente dá-se-lhe uma volta ao estômago de tal maneira que uma mão na boca quase foi impotente para segurar um vómito. Mas não era apenas o estômago que lhe andava às voltas pois a cabeça de Pião não parava de girar e não sabemos com que guita puxaram Ismael Pião já que ele girou três vezes e saiu porta fora girando ainda escada a baixo. Diz quem o viu pela janela do sexto andar, que tão depressa vomitava como rodopiava direito ao Terreiro do Paço. Pensa-se que terá ido assim até à Quinta do Conde onde morava, ora vomitando, ora girando.

Ninguém mais soube dele. Hoje, à hora do almoço encontrei-o num restaurante no Gradil. Já com os cabelos brancos, senta-se sempre perto da bancada das sobremesas. Quando acaba de almoçar gira na cadeira para pegar o seu pratinho de arroz doce. 


20 comentários:

  1. Mais uma história deliciosa esta que foi ganhando cor à medida que se revelava e muito muito gira! :)Beijinho e bom Domingo

    ResponderEliminar
  2. Estive a ler todos os capítulos em atraso e só tenho algo para dizer ADOREI e saíste-me cá um belo...rapaz do meu tempo:):):):)

    Lá fiz a impressão para a tua fã de 82 anos ler e de certeza fartar-se de rir com certas "cenas".

    Bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já não posso dizer que a procissão ainda vai no adro, mas ainda faltam uns capítulos para acabarmos com a revelação do crime.

      Eliminar
  3. A história de um fotógrafo prometedor... que nunca o chegou a ser!
    Vi-me no meio daquelas luzinhas vermelhas e das tinas com os preparados para a revelação das fotos!
    Ahhh e a corda com as pinças para a devida secagen...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era assim que o pobre Pião se sentia.
      Abraço.

      Eliminar
  4. Coitado do fotógrafo sonhador, não suportou ser confrontado com a cruel realidade...*

    ResponderEliminar
  5. Esse Ismael ainda não tinha entrado na história - que qualquer dia faz lembrar os livros russos, de tanta personagem - o que até se compreende no final: o homem ainda não parou de girar, tantos anos depois! :)))

    E afinal, a pobre Isabela nem na hora de já ser cadáver, ainda por cima com sete facadas, teve alguém a fotografá-la? Ou o inspetor arranjou um substituto?! ;)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este ainda não. Estava em reserva. E tenho outros para o caso de algum se lesionar.
      Beijoca.

      Eliminar
  6. Um misto de sonho e realidade que nos deixa a pensar que nem sempre ambos combinam sobretudo quando a vida nos troca as voltas.
    Como sempre uma descrição em que nenhum pormenor é deixado ao acaso.

    Manu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes descritivo até chatear, mas eu sou mesmo assim, um chatinho. :)

      Eliminar
  7. Uau! Parece mesmo que estou a assistir um filme, com a diferença que o meu não é em preto e branco, mas sim à cores!
    :)

    Você realmente escreve muito bem, amigo, e nos prende do início ao fim da narrativa.
    Parabéns e obrigada por isso!

    Já te disse, mas torno a dizer: gosto muito de vir aqui.

    Um grande abraço e fique com Deus.

    Cid@

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas suas considerações. Fico feliz por se entranhar na estória.

      Um abraço para si, com amizade.

      Eliminar
  8. ... entretanto...

    amanhã veremos se apanhamos coelhos
    não pelas orelhas mas pelos tomates

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há coelhos que precisavam de levar com uns tomates. E não estou a falar de coelhos bravos. Ou melhor, estou a falar dos que se fazem mansos.

      Eliminar
  9. s´venho cá para te dizer que : tinha saudades de te visitar ma stu dás-me logo com um texto tao grande!
    kis .=)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São grandes como o caneco mas com calma e paciencia vão-se lendo.
      beijinho.

      Eliminar
  10. Entro na leitura da história,agora.Gostei.
    Conheci um Ismael Pinhão,
    fotógrafo como pseudo-profissão;
    Não vomita, não gira como li
    quando mortos, os vê no chão.
    Juro que com "estes olhos" eu vi
    não sei se diga se não,
    que o Ismael que reconheci
    tem bom coração,
    faz fotografias rápidas e aqui
    mostra com boa revelação
    que bons químicos são solução,
    na arte em comer e na digestão

    ResponderEliminar
  11. Vitor, a tua imaginação não tem limites!:) Gostei! Sigo-te lendo...

    beijinhos
    cvb

    ResponderEliminar