domingo, 22 de abril de 2012

128. O Caracol




Em tempos que já lá vão, havia no meu bairro um grupo de rapazes que rondavam pela mesma idade mais ano menos ano.  Entre os quinze e os doze anos ou depois, já mais velhos, entre os dezanove e os dezasseis, sendo que, quando chegamos aos vinte e cinco, os de vinte e dois já fazem pouca diferença. Um grupo que jogava à bola ou ao pião, um grupo que ia ao baile ou ao cinema, um grupo que namorava ou que entretanto juntava os trapinhos, quase todos fazendo igual, quase todos ao mesmo tempo, mais ano, menos ano. Neste limitado leque de idades havia o Madeirense e o Pintarroxo, o Terrível e o Marado, que também era madeirense, o Zé Tangas e o irmão, o Meia-Lua,  os manos Vianas, o Quim, o Manecas,  o Grilo, o Augusto, o Chico e o Capote, o Nico e o Manivelas, o Carapinha e o Carlos, que é meu irmão, o Mesquita, o Caracol e o Tóninho, para nomear apenas os que de repente me vêm à cabeça. Com uns eu tinha uma relação mais próxima e ainda hoje somos amigos. Com outros eu mantinha distância por não me inspirarem confiança ou simpatia. O Pintarroxo, que é pintor e que não deve a sua alcunha à profissão, já que o seu pai também era assim conhecido e também o seu avô, ainda é meu amigo e sempre que preciso algum trabalho de pinturas é a ele que recorro. Quando posso vou ao café do Terrível, a quem sempre trato pelo nome próprio. O Capote era meu cunhado e infelizmente já faleceu, como também faleceu o meu amigo Marado. O Zé tangas, o irmão, os manos Vianas, o Nico vejo-os a espaços. O Manivelas morava na mesma praceta mas não fazia parte do grupo. Não nutria por ele a mínima simpatia e nem sei o que é feito dele. Pelo Caracol não só não tinha qualquer simpatia como não me inspirava confiança nenhuma. Era de quem eu me afastava mais. Não gostava dele, nunca simpatizei com o personagem, era desasseado, intriguista e ruim de lidar. Chegou a tentar roubar-me um projeto de namorada. Dava-se com o Manivelas, mas com a nossa malta só convivia com o Nico pois morava porta com porta. O Chico era o melhor a pescar, o Carapinha era o melhor a correr e até tinha uma camisola de atleta do Benfica, o Capote era o melhor de todos pois estava sempre de bem com cada um e pregava o amor de Cristo, o Quim era o que cantava melhor o fado, o Madeirense era o mais brincalhão e dos mais duros a jogar à bola, o Manecas era o que mais percebia de música pop, o Meia-Lua convivia pouco com a gente, fez-se homem cedo de mais, não acompanhava com crianças, apesar de ser da nossa idade. O Carlos era o melhor guarda-redes, o Zé tangas era o mais descarado pois, naquele tempo, já andava com o braço por cima do pescoço da namorada, o que era um escândalo para a época e era também o mais mentiroso. Aliás, era o tangas de serviço. O Caracol não pertencia a este grupo e até tremíamos quando ele se tentava aproximar. Normalmente dispersávamos para não lhe dar cunfias. O Marado não perdia um baile na Sociedade, o Grilo era o mais desconfiado, o Augusto o que mais prendia o machinho, o Tóninho era maricas pelo que apenas morava lá na praceta mas o grupo de amigos dele era outro. O Pintarroxo jogava bem à bola, até jogou no Piedade, os Vianas eram os meus companheiros na catequese, o Mesquita só aparecia para jogar futebol. O Manecas e Quim gostavam da mesma miúda que eu, as mães deles queriam por força ser comadres da minha sogra, mas a namorada era minha. Do Quim nada sei e o Manecas apesar de o ver com pouca frequência ainda é um bom amigo. O Caracol, diziam, metia a mão onde não devia e também por isso não pertencia ao nosso grupo. Na vida uns têm mais sorte, outros têm menos, outros fecham-lhe a porta. Os mais atraiçoados foram o Marado e o Capote que morreram cedo. Demasiado cedo. Do Tóninho, a quem arranjei emprego pois acabou por ocupar a vaga que deixei numa loja de pronto a vestir quando eu tinha catorze anos, nunca mais lhe soube do rasto. O Nico vi-o no funeral do pai dele. O Caracol andou pelos caminhos da droga e do alheio e passou vários anos à sombra. Nunca gostei do Caracol. Hoje, quando me viu, pediu-me 50 cêntimos para uma bica. É claro que lhe dei e darei sempre que mo pedir. E mesmo que mo não peça. Alguns não tiveram sorte. Outros fecharam-lhe a porta. 

22 comentários:

  1. Já lhe disse que gosto muito do seu estilo de escrever? Se não o disse, digo-o agora: gosto muito desta forma de escrever e descrever... )
    Li a crónica com muito prazer.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Catarina. Os vossos comentários são um grande incentivo.
      Abraço e bom domingo.

      Eliminar
  2. Li de seguida e parece que via cada personagem, amigos de infância e engraçado que não referes miúdas, porque no meu grupo também havia um Caracol porreiro, o Chupeta, o João maneta (falecido) o João grande, o médio e o pequeno (este era o meu irmão que morreu cedo) a Glória, a Girafa, o Picolé, o Mekui (desgraçado que devorava frango de churrasco) e mais uns quantos uma turma tão parecida com a tua mas que a guerra encarregou-se de nos separar. Mais tarde soube de um ou dois e o resto nada sei.

    Adorei, adorei!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, naquele tempo os rapazes e as meninas só se juntavam nos bailaricos :)

      Beijinhos.

      Eliminar
    2. Este grupo que refiro era o do meu bairro, onde as miúdas entravam caso contrário estavam tramadas:)

      Os bailaricos...pois...que saudades:) e se soubesse o que sei hoje tinha feito tudo de novo mas em triplicado LOL

      Eliminar
  3. A vida e as suas circunstâncias...
    Que percentagem temos nós nas escolhas? E as circunstâncias?
    Com o passar dos anos há a tendência para delimitar territórios, sem questionarmos se tivemos o amparo do "anjinho bom"...

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo. Não somos donos das nossas próprias escolhas. As circunstâncias são determinantes. O que podemos é tentar dominar o circundante.

      Abraço

      Eliminar
  4. Pelo menos, o Vitor ficou com a rapariga.
    Comovente, muito bonito este texto!*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiquei e casei com ela. Teve seis anos de namoro e tenho 31 de casamento. E sou feliz, graças a Deus. Infelizmente a minha sogra já faleceu.

      Eliminar
    2. Já lhe deixei um pedido de adição no FB

      Eliminar
  5. Todos nós podemos fazer uma revisitação destas à nossa memória...
    E os personagens desfilam ao vivo e a cores com a sinopse individual de cada um a correr por debaixo da sua figura.
    E faremos sempre isso, enquanto a nossa memória não nos começar a atraiçoar.
    Grande abraço, Vítor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos aproveitando para deixá-las registadas por depois poderá ser tarde.
      Um abraço e boa semana.

      Eliminar
  6. Que bela esta crónica de nostalgias, de amizades, de vida a ser aprendida e a ser vivida!
    E o tempo, sempre o tempo - o tempo que foge, o que fica na memória, o que ainda temos para viver!
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tempo que tudo cura e tudo devora.
      Abraço.
      Boa semana.

      Eliminar
  7. E não é sempre assim, com vizinhos e colegas de escola ou liceu? Uns com mais sorte, outros com mais azar, nem sempre a educação (ou falta dela) é sinónimo de uma vida menos atribulada - os caminhos que se vão seguindo também divergem... ;)

    Mas gostei muito destes "recuerdos" dos verdes anos! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os meus sempre foram anos vermelhos, Teté :) Nunca deixei que os verdes me invadissem a cor. Nem a dos anos :)
      beijinhos
      boa semana.

      Eliminar
  8. Por aqui também há Caracóis
    de mão estendida, para pedir
    uns... carcanhóis

    Alguns não tiveram sorte. Outros fecharam-lhe a porta.

    Folgo por teres ficado com a namorada!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É assim, no jogo da vida :)
      Grande abraço.
      Boa semana.

      Eliminar
  9. Crónica, como sempre, interessante, leve e ritmada, que se lê num fôlego. É assim a vida de facto, uns têm sorte, outros nem por isso e outros, fecham-lhe a porta, nem mais! Beijinho

    ResponderEliminar
  10. É a Lei da Vida, meu caro. A muitos amigos da juventude e adolescência perdi o rasto pois, tal como eu também partiram para outras paragens. Curiosamente, nos últimos três anos tenho reencontrado alguns e até já fizemos um encontro ao estilo "Amigos e Alex".
    Também no meu grupo, pude constatar, houve aqueles que tiveram sorte e pouco fizeram por merecê-la, outros que a conquistaram e alguns a quem a sorte virou as costas.
    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Noto uma grande nostalgia neste teu regresso ao passado. Neste desfilar de nomes que fizeram, e alguns ainda fazem, parte da tua vida.
    Quem, ao ler-te, não sentiu também o reviver de memórias distantes?
    Como vivi a minha infância na terra onde nasci a adolescência e parte da juventude em outro lugar e depois "migrei" definitivamente-creio- para outro, muitos nomes que fizeram parte da minha vida encontram-se dispersos e da maioria perdi o rasto. Hoje são muito poucos os que me restam.
    Sabes, Vitor? Deixaste-me triste!
    Cheguei até a pensar em não comentar.

    Um beijo, meu amigo!

    ResponderEliminar
  12. Ao ler esta crónica , lembrei-me da Graciete invejosa, da Irene traiçoeira que me denunciuou à professora por ter copiado as contas de dividir, do Zé careca que de careca não tinha nada, mas diziam, sem razão que era meu namorado, do Ruizinho, filho único e com posses e sempre aprumadinho, da Gracinda que tinha a mania que sabia cantar melhor que eu...e podia continuar.
    Não sei nada desta gente, tenho pena, sabia? De repente veio a "saudade", não é nome de gente, mas que a gente sem querer, nunca a pode esquecer..Que raio de coisa esta!!
    fiquei nostálgica, mas adorei o que li.

    ResponderEliminar