quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

95. Ismael (20) - Parabéns


O tempo passa e só damos por isso quando olhamos para o espelho e ele nos retribuiu com uns pezinhos de galinha nos cantos dos olhos. O tempo passa e só damos por isso quando olhamos para aquele blaser, que é como quem diz paletó, azul-escuro, que tudo denuncia e vemos ali pregados dois cabelos brancos que, por estranha coincidência, são nossos. O tempo passa e nós só damos por isso quando os garotos no outro lado da rua deixam fugir a bola, no jogo da rabia e nós tentamos dar uma corrida para a devolver e não lhe chegamos a tempo. O tempo passa e nós só damos por isso quando vamos a subir os degraus do autocarro e ouvimos ranger o que primeiro pensamos ser os degraus de um velho machibombo, mas rapidamente nos apercebemos que são as articulações dos nossos joelhos. O tempo passa e nós só damos por isso quando nestes dias frios que se avizinham, tomamos extrema atenção aos cuidados que é preciso ter com os idosos e preparamos as mantinhas, a botija de água quente e verificamos se há lenha suficiente para não deixar morrer a lareira.

Era uma manhã de um sábado frio, embora solarengo, de inverno. Ela saiu de casa braço dado com Constantino. Os passos dela eram curtos, não se podia mexer com a mesma agilidade de uns meses atrás, mas decididos e ela, sem receios, determinada e, sobretudo, muito feliz. Ele levou-a a tomar o pequeno-almoço e depois deixou-a no hospital. Nesse dia ele precisava ir trabalhar, ela teria os seus trabalhos umas horas mais tarde. Juntou-se a ele na mesa do almoço, mas não comeu. Não devia, não podia. Quando se deixaram, ela regressou ao hospital pelo seu próprio pé e ele voltou para o escritório. Constantino olhou para o relógio, estava na hora. Desligou o computador, fechou a pasta de documentos, colocou a máquina fotográfica à tiracolo, fechou as luzes, desceu à garagem, levou o carro, foi ele próprio para o hospital. Ela aparentava uma inusitada calma. Ele aparentava um, mais que justificado, nervoso miudinho. Entraram juntos na sala de partos e enquanto ela trabalhou, ele acarinhou-a. E fotografou.

Ao fim da tarde, quando chegou a hora de os deixar descansar, tão lindos que estavam lado a lado, mãe e filho, Constantino beijou-os e saiu. Quando entrou na tasca do Ismael, em plena Rua dos Correeiros, eufórico, gritou uma rodada para todos; hoje pago eu! Fui há vinte e sete anos quando nasceu o João. Eu sei que tu sabes mas nunca me canso de te dizer que te amo, meu filho. O tempo passa e uma pessoa nem dá por isso quando no aconchego da sua intimidade se vira para ela, com a mesma verdade, com o mesmo carinho e com a mesma vontade e lhe diz eu amo-te meu amor!

28 comentários:

  1. Estou no meu canto. Nem Fernandinha, nem Francisca. Ismael não se deixa ver, estará para a cozinha. Constantino, também não aparece... Com a tasca cheia parece-me vazia sem os ver. Olho a parede à força de não os ter para os olhar e dou de caras no calendário, brejeiro, com um dia assinalado. A cor vermelha de uma Bic, circundava a traços redobrados o 2 de Fevereiro.
    Dia 2, dia 2... pois.
    Lá está porque não estão cá... É isso... Mas ele vai aparecer. Ai vai, vai. E paga uma rodada, igual à que pagou à vinte e sete anos atrás.
    E dar-lhe-ei os parabéns, pelos anos do seu rapaz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode crer Rogério, vai sair rodada. Quem preferir uma ginjinha também pode ser, ou um medronho para aquecer o esófago nestes dias de fresquidão. E o meu amigo está convidado.
      Muito obrigado.
      Um grande abraço.

      Eliminar
  2. Um amor que dura à vinte e sete anos é digno de menção.
    Gostei do texto. : )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Catarina, o João é o meu segundo, o primeiro foi a Ana que fará este ano, 30. Veja há quanto tempo dura o amor :)
      Obrigado.

      Eliminar
  3. Que lindo, Vitor, que lindo!

    Lindo esse amor que vos une, linda a forma como nos contas esse dia inesquecível em que nasceu o vosso segundo filho, João Pedro, e linda essa comovente descrição da passagem do tempo, com que inicias esta bela e verídica narrativa.

    Olha, estou sem palavras de tão comovida.

    Mando um beijinho grande de Parabéns para o João e para os ditosos papás e mana e sobrinho.

    Abraço-os a todos com muito carinho.

    Estão todos de Parabéns.

    Quando nos juntarmos na tasca do galego eu vou querer uma ginginha...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho a certeza que quando o João ler este post vai ficar bastante feliz com o carinho com que vocês, leitoras e leitores do meu blog, dedicam ao pai dele. Aliás vocês são o móbil da minha escrita.

      Agradeço os votos de parabéns e retribuo o aabraço com muito carinho também.

      Se mudares de ideias e quiseres trocar a ginjinha por uma amêndoa amarga, um abafadinho ou anis escarchado, fica à vontade. O meu amigo Ismael tem uma tasca à maneira.

      Beijo.
      b

      beijinhos.

      Eliminar
  4. Parabéns ao filhote (mesmo que crescidinho, continua a ser!), à mãe e ao pai babado! :)

    Tem dias assim, que são únicos na vida de todos nós, jamais os esquecemos... :D

    Beijocas e um dia muito feliz para todos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Teté. São de facto dias marcantes. por muito que o tempo passe nunca se esquecem.

      Beijinhos.

      Eliminar
  5. e o tempo passa e eles continuam a ser os nossos pequeninos. Esta foi a mais bela carta de amor que li nos últimos tempos e a foto está lindíssima.

    Para o "pequenino" muitas e muitas felicidades e para ti e para a tua bela mulher que continuem a ser o que são por muitos e muitos anos e verás que com o neto e outros que virão até nos esquecemos do ranger dos joelhos e a palavra machimbombo levou-me à minha terra.

    Um dia muito feliz para todos

    ResponderEliminar
  6. Gostei do tempo que o tempo tem, da forma como se apresenta ora rápido ora lento, gostei de cada detalhe e da forma como o descreveste, mas sobretudo gostei da forma carinhosa com que assinalas uma data tão importante.
    Parabéns ao filho e aos pais!
    Logo mais vou aparecer na tasca do Ismael e brindaremos com uma ginginha, mas tem que ser de Óbidos, se não houver eu levo daqui-;)

    Beijos
    Manu

    ResponderEliminar
  7. Obrigado pelo commet, e desculpa a demora a responder :$ .

    Novo texto: http://joateba94.blogspot.com/2012/02/felicidade-encontrada.html

    ResponderEliminar
  8. Obrigado pelas palavras papi, e obg por seres o melhor pai do mundo desde sempre, e claro a Maria a melhor mãe do mundo. Que continuemos por longos anos a celebrar este amor que existe entre nós. Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Um texto muito sentido e quando assim é, a belza do mesmo torna-se evidente. Um grande aberaço e parabéns por essa dádiva!

    ResponderEliminar
  10. Um grande abraço de parabéns por esses 27 anos de sorrisos!
    Parabéns para ti, Papá, que fizeste um lindo post... e parabéns ao teu filho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado por mim e pelo meu filho, Manuel. Um abraço.

      Eliminar
  11. pezinhos de galinha nos olhos? amigo eu tenho uma scapoeiras
    kis .=)

    ResponderEliminar
  12. É esse o verdadeiro amor...Aos filhos!!!

    ResponderEliminar
  13. Parabéns ao filho, à mãe e ao pai!

    Felicidades...

    ...e boa semana,rrss

    ResponderEliminar
  14. Qu forma comovente de dar os parabéns ao seu filho... e o amor, esse é eterno, não é?
    Parabéns :)

    ResponderEliminar
  15. Simplesmente fantástico, lindo, lindo...
    Parabéns ao filho, à mãe e ao pai

    ResponderEliminar
  16. Pois passa, Vítor Fernandes. E eu fiquei aqui, suspirenta pelo texto tão pleno de amor!

    Esse que é incondicional, que é maior do que o mundo, esse que é inexplicável, esse que me fez lembrar o Vinicius de Morais: "filhos, melhor não tê-los, mas se não os temos, como sabê-los"?

    Eu penso que os filhos, são a nossa melhor parte, a nossa redenção! rs

    Deixo beijo e carinho ao João, à mãe e a ti, Vítor Fernandes!


    ;)

    ResponderEliminar