quinta-feira, 21 de abril de 2011

14. Lisas e coloridas




Abra a boca menino. Era assim que ela lhe gritava, quase desumanamente, quando ele, sentado na cadeira de dentista, quase a vomitar cheiros de éteres e anestesias, de boca aberta, tremia de medo. A dentista, que para ele que ainda não tinha completado 12 anos de idade não passava de uma velha bruxa, de alicate em riste, puxava-lhe violentamente pelo dente, não sei se o de cima se o de baixo, pois que, pela greta da porta, não me consegui aperceber. Abra a boca menino, repetia ela, gritando ainda mais alto. Mas como é que ela queria que o garoto conseguisse manter-se de boca aberta se ela lhe levava atrás, queixada, cabeça e quiçá também o dente. Tenho a certeza que o garoto naquele momento, a mandou à merda. Mas de boca aberta seria tão difícil soletrá-lo quanto difícil seria que ela o entendesse. Depois, a dentista mandou-o cuspir para a tina onde um fio de água corria em permanência. Uma receita de antibiótico e, comida quente nem pensar. Pelo menos durante dois dias. Enquanto cuspia os restos do sangue ele imaginava-se já a correr para a sanita para regurgitar o creme de cenoura gelado ou aquela papa que a mãe tinha a vil mania de lhe fazer com pêra cozida e bolacha Maria. Toda a vida detestou os dentistas e, provavelmente por isso, nunca a Páscoa lhe foi simpática. Hoje, já sem dentes, ri-se por detrás das memórias enquanto chupa uma amêndoa tipo francês.

Texto e foto do autor. Todos os direitos reservados.

13 comentários:

  1. Bonito
    Gostei de recordar este dentista
    um beijo

    ResponderEliminar
  2. Excelente imaginação. Excelente texto!

    Muitas amêndoas..

    Um Beijinho
    da
    Assiria

    ResponderEliminar
  3. Chegando pra conhecer e ja adorando
    o primeiro texto.
    Espero que passe
    em um dos meus
    espaços pra conhecer
    minha escrita, sera um
    interessante
    intercambio.
    Bjins entre sonhos e delirios

    ResponderEliminar
  4. E não precisa publicar so tomar conhecimento e se publicar tambem não tem problemas
    Pra não ficar perdido
    esses são meus endereços de blogs:
    http://reflexodalma.blogspot.com/ poesia
    http://meusreflexoscontostextoseafins.blogspot.com  textos excitantes
    http://ob-servandoeab-sorvendo.blogspot.com/ meu dia a dia
    e meu email de trabalho e contatos catiaho@hotmail.com
    Pronto

    rsrs

    ResponderEliminar
  5. Quantas pessoas não sentem pavor de dentista?
    Mas confesso-te que ao fim da leitura da sua narrativa eu estava rindo também, solidária com aquele menino que hoje cultiva suas memórias e risos sem dentes, em dias de páscoa!

    Obrigada pela ida ao Canto, prazer em sabê-lo e lê-lo!

    ;)

    ResponderEliminar
  6. Revivi o terror da ida ao dentista na minha infância e adolescência!
    Era de fugir!!!

    ResponderEliminar
  7. ...duvido que existe uma criança
    que tenha enfrentado a cadeira
    de um dentista sem aquele
    friozinho na barriga.

    gostoso te ler...

    obrigada tbm pela visita
    em meu canto.

    bjs

    ResponderEliminar
  8. Belo texto. Atá hoje ainda temo os dentistas.

    ResponderEliminar
  9. Menino, atualmente quem tem sofrido com dentista é o meu menorzinho com aparelho ortodôntico. Um dia ele ainda vai escrever coisa parecida e, quem sabe, rir enquanto "mastiga" a sua amêndoa. Mas por aqui vai ser mais fácil - na Páscoa é só chocolate e, nessa altura do campeonato, bem derretido. :)

    beijocas

    ResponderEliminar
  10. os dentistas de hoje já nao nos metem medo.
    mas confesso que ainda sinto um pouco de receio.
    as amendoas prefiro as de chocolate.

    uma boa páscoa e um

    beij

    ResponderEliminar
  11. Olá, Constantino,
    Gostaria de convidar você para as comemorações do segundo aniversário do blog Jazz + Bossa + Baratos Outros:
    www.ericocordeiro.blogspot.com
    Um fraterno abraço!

    ResponderEliminar
  12. Que arrepio! era mesmo assim o terror do dentista...

    ResponderEliminar