quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2013

192. D. Micá não adianta nem atrasa



Estou desolado. Então não é que hoje estava disposto a contar-vos um bom bocado da história de Eduardo Aragão, mormente a parte que diz respeito à sua faceta de D. Juan, conquistador e mulherengo, homem que tão depressa é capaz de estar a cortejar uma rica dama de sociedade, preferencialmente casada, como é capaz de estar num bar de pouca fama, acompanhado de outros vadios e meretrizes de sotaques vários, nomeadamente brasileiro, ucraniano e bielorusso? No entanto, apesar de estar rodeado de indivíduos a babarem-se por histórias mais ou menos picantes e algumas senhoras não menos desejosas de ouvir relatos como o seu quê de escandaloso, tive de enjeitar esta possibilidade. A verdade é que, não possuindo nem a caraterística da omnipresença, nem o dom da ubiquidade e, sendo eu uma pessoa que respeita quem me respeita, para mais sendo a anfitriã, a bondosa e  apaixonante D. Micá, não poderia iniciar a minha narração no preciso momento em que D. Micá, já rodeada de seres, cujos rostos pareciam pedir uma mesa pé de galo e velas de estearina em castiçais dourados, a rodeavam para mais um episódio da sua horripilante história de fantasmas e frades do século quinze, já para não falar de cães que reagem ao rock’n roll e gatos que tentam saltar para invisíveis colos e que no final, miam. E é assim, que, com grande pena minha, terei de deixar para outra oportunidade esta excitante narração da vida de Eduardo Aragão, um bon-vivant, mas, acima de tudo, um soberbo compincha de quem qualquer um de vós, tenho a certeza, não desdenharia ser amigo.


“D. Bonifácio d’Assunção esperou paulatinamente. Não poderá precisar quantos mais golos houve no desafio, pois, uma estranha interferência, coisa que só pode ter vindo do Além já que por perto não se viam nem antenas, nem imanes, nem tão pouco espíritos esvoaçantes, fez com que o rádio transistor, fabricado na China, onde frei Bento Patinho escutava o relato, primeiro começasse com um ruído, depois com um silvo profundo que faria estoirar os tímpanos a qualquer mortal, coisa que como se sabe não o era o frade e, finalmente, o bafo total e nem mais uma palavra saiu por aqueles headphones. Frei Bento Patinho, ao contrário do que era de se esperar a um fantasma, ficou deveras irritado. Espatificou o pequeno rádio contra uma parede da capela e virando-se para D. Bonifácio apenas lhe disse:

- Bons olhos o vejam.

É claro que D. Bonifácio sabia o que isto significava, sabia que estava há muito tempo em dívida para com o quinhentista frade franciscano. A falar verdade é que, contas de cabeça, assim de repente, mais mês, menos mês, D. Bonifácio não se confessava havia mais de trinta anos, sendo que a última vez que o tinha feito havia sido na véspera do seu casamento”.

Quando D. Micá fez a pausa que lhe conhecemos para deixar tudo para o serão seguinte, exasperando os seus habituais convidados por causa da história de fantasmas que anda a contar, ela, que por acaso é boa, mas mesmo boa, é a contar histórias cor-de-rosa, e que não adianta nem atrasa, viram-se alguns rostos enjoados e outros a pensar porque é que o Constantino não contou a história das conquistas do Eduardo Aragão, em vez de estarmos aqui a ouvir esta gaja, isto tudo em pensamento, claro, porque ninguém se atreve a tratar por gaja a herdeira do império do leite magro com chocolate e Excelentíssima presidente da Fundação criada para o efeito. O que salvou o serão, foi Eduardo ter entrado de rompante na sala, aos gritos “estou desgraçado! Estou desgraçado!” e depois ter soltado um palavrão que deixou corada D. Ermelinda. Ficamos todos intrigados com o que aconteceu a Eduardo, mas deixo para o próximo capítulo pois é preciso que fiquemos todos um pouco a refletir sobre o que é D. Bonifácio d’Assunção andou a fazer de tão grave que passou mais de trinta anos sem se confessar. E olhem que segundo D. Micá, D. Bonifácio é homem muito chegado à igreja. Lá isso é.


5 comentários:

  1. Olá Vitor,
    Antes de mais tenho a certeza que seria um bom amigo de Eduardo de Aragão. E acompanhá-lo-ia a alguns lugares.

    Seguramente não a cortejar damas casadas...aí piava mais fino. A D. Micá vai-nos contar um dia, seguramente:)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Eduardo é um poço de surpresas. E a D. Micá também. Um abraço.

      Eliminar
  2. Olá, Vitor!

    Este história é bem comprida - e bem contada; o mais difícil é agora pegar no fio da meada...eu que prometo aqui voltar para saber o que vai acontecendo com a Dona Micá.
    Um abraço, e bom Domingo.
    Vitor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai lendo caro Vítor; depressa recuperas o fio. Um abraço.

      Eliminar
  3. Amigo Constantino,
    há muito tempo que o meu coração de manteiga e cheio de amizade pela excelente pessoa que tu és - já para não falar nos teus dotes de grande narrador/contista/escritor - me andava a acusar pelo meu afastamento dos serões da gaja, perdão, da D. Micá.
    Há pouco, ao ter conhecimento do carinho com que vais ver-me ao meu cantinho e enternecida até às entranhas mais profundas do meu ser, resolvi que de hoje não passava. E cá estou, para pôr em dia os serões que tenho em falta.

    Mas, meu querido amigo, a verdade é que essa gaja ( eu posso bem com ela) me tira do sério!
    Então, justamente quando tu, Constantino, nos ias dar um autêntico show de bola com o relato das aventuras do Eduardo Aragão, é que ela se lembra de vir com contos e ditos sobre os Frades, Cardeais e Bispos, logo agora que eu já nem posso ouvir falar deles?

    Só espero que esse D. Bonifácio não tenha mesmo desgraçado o Eduardo!

    Até mais logo, Constantino!

    Vou subir ao patamar seguinte.:)

    Beijinhos.

    ResponderEliminar