quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

215. Isto não é um conto

A Pobreza infantil



Toda a sociedade, todas as sociedades devem-se sentir culpadas pela pobreza. Analisando a fundo a questão, coisa que aqui não farei, por não ser o objetivo deste post, cada um de nós individualmente tem a sua quota-parte, ainda que mínima, neste flagelo. Provavelmente, o dinheiro que vou despender nas prendas de natal que vou comprar para os meus netos daria para alimentar duas ou três crianças carenciadas durante 2 ou três dias. Mas se nós temos esta culpa individual os Estados não podem fugir com o rabo à seringa. São eles, que ao não proporcionarem um desenvolvimento económico sustentado, uma política eficaz de emprego e uma distribuição equilibrada da riqueza (já que fiz mea culpa, quantos dias alimentariam duas ou três criança carenciadas o valor do leasing de um só automóvel topo de gama que é usado por qualquer secretário de estado, com direito a motorista e tudo?), são efetivamente os principais responsáveis. E não fazem nada que seja efetivo - em Portugal o número de pobres tem vindo em crescendo nos últimos, pelo menos, 10 anos - porquê? Porque têm interesses na pobreza e ganham dinheiro com a pobreza.
Hoje começa a campanha Toca a Todos que vai ajudar a Caritas Portuguesa no combate á pobreza. Entre várias iniciativas há a campanha telefónica de chamadas de valor acrescentado. Na verdade, se cada um de nós contribuir com 60 cêntimos + IVA, não custa nada e ajudamos uma causa muito digna. Mas é aqui que reside o busílis da questão. 23%  (IVA) dos donativos vão diretamente para os cofres do Estado. Quase 1/4 dos donativos. O Estado a encher bolsos à custa da pobreza que ajuda a criar. É um filme visto com direito a replay. E as "Grandes Vozes" aquelas que são escutadas por todos, os opinion leaders e os opinion makers, calam-se. É melhor assim, não vá o diabo tecê-las e ainda um dia venham a ser ministros...

PS. a foto retirei-a da net e não encontrei o autor para deixar os créditos. Seja de quem for, grato pela cedência.

12 comentários:

  1. O pão que sobra à riqueza
    Distribuído, pela razão
    Matava a fome à pobreza
    E ainda sobrava pão

    "O Estado a encher bolsos à custa da pobreza que ajuda a criar." Não esqueça que o Estado se somos nós todos, fala de um circulo vicioso. Que por acaso, está muito bem engendrado

    (bem vindo,
    ao espaço de onde não devia ter saído)

    ResponderEliminar
  2. Não, isto não é um conto! É o retrato fiel do que se passa na nossa actual sociedade!
    Já que te penitencias reconhecendo que a verba que irás gastar em prendas para os teus netos - já tens mais um? - tal como o Rogério deixou a quadra do Aleixo.

    Deixo-te esta 'consolação' :

    "É assim que a caridade
    Do pobre ao pobre consola;
    Nem só da mão sai a esmola,
    Sai também do coração."

    Do coração te saiu este texto, amigo desaparecido!

    Bem-vindo, Victor.

    Um beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá minha querida. Tenho andado bué afastado do blog. Quando penso em recomeçar logo me distraio.Mas não parei coma mania de escrever :) De vez em quando publico aqui http://fotosdeaaz.blogspot.pt/ mas também sem nenhuma periodicidade.
      Sim tenho 2 netos: O Daniel com 3 anos e meio e o Xavier com 10 meses :)
      Beijinhos.

      Eliminar
    2. Parabéns, então, a toda a família e a ti em especial, pela vinda de mais um netinho.
      Os netos são uma bênção que nos rejuvenesce...e tu um avô babado! :)
      Fico feliz por saber que, agora, em vez de comprares um cachecol do SLB, vais ter de comprar dois!!

      Beijinhos, Vitor.

      Muitas felicidades! :)

      PS. Um dia destes vou ver-te nas fotos de A a Z...

      Eliminar
  3. se fosse um conto não tinha tanta dor...

    Boas festas e saúde.

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Um abraço amigo Maceta. Um bom ano também para ti.

      Eliminar
  5. Vitor

    espero que haja saúde. E espero tambem que não estejas zangado com o blog , tão estimado blog...

    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não estou zangado, não. Tenho andado ocupado com tanta coisa que me falta tempo para os mini-contos que alimentavam o blog. Entretanto vou escrevendo poesia aqui http://fotosdeaaz.blogspot.pt/
      Tenho um novo romance quase a sair e várias participações em coletâneas. Não tenho estado parado :)
      Um grande abraço

      Eliminar
  6. A pobreza infantil tb existe aqui. Lamentavelmente.

    ResponderEliminar
  7. Olá, Vítor!

    Já tinha passado por aqui, mas não comentei, só li e pensei.
    Que dura realidade, a que aqui é descrita.

    Bom domingo!

    ResponderEliminar